domingo, 22 de outubro de 2017

HOJE É O DIA DO SENHOR




XXIX DOMINGO DO TEMPO COMUM


Deus e César

O Cristão é um cidadão como todos os outros:
desfruta dos mesmos direitos e tem os mesmos deveres.
E os impostos, ele é obrigado a pagar?
As Leituras nos dão uma resposta...

Na 1aLeitura, um rei pagão foi "instrumentos de Deus"  
para libertar o seu povo da escravidão da Babilônia. (Is 45,1.4-6)

Ciro, Rei da Pérsia, foi um excelente comandante e político iluminado. Conquistou todos os impérios do oriente, inclusive a Babilônia.
No ano 538, depois de conquistar a Babilônia,
permitiu os judeus voltarem à própria terra e
começarem a reconstruir o templo e a cidade de Jerusalém.
O profeta chama o rei pagão de "ungido do Senhor".
Ciro torna-se instrumento de Deus, mesmo sem o conhecer,
sem mesmo ser membro do povo da Aliança.

* O texto sugere que Deus é o verdadeiro "Senhor da História"
e que é ele quem conduz a caminhada do seu Povo.
Deus pode se servir de qualquer pessoa para realizar seus projetos.
Pode se servir de dirigentes até sem religião, desde que sejam
competentes, honestos e saibam promover o bem-estar e a paz.
- O contrário também pode acontecer:
Nem toda pessoa "religiosa" e bem intencionada
tem a necessária competência para uma função pública.

Na 2ª Leitura, Paulo louva o Senhor, porque a Comunidade de Tessalônica abraçou com entusiasmo o Evangelho, e pela ação do Espírito Santo,
deu frutos de fé, de amor e de esperança. (1Tes 1,1-5b)
É a carta mais antiga de São Paulo.

No Evangelho, Jesus responde a uma pergunta política. (Mt 22,34-40)

Discípulos dos fariseus e herodianos, favoráveis ao poder romano, fazem
uma pergunta capciosa: "É permitido ou não pagar o TRIBUTO a César?"

- Se dissesse SIM: apareceria como colaborador da dominação romana.
  Se dissesse NÃO: seria denunciado às autoridades romanas como subversivo.
- Jesus percebe a armadilha. Pede uma moeda e pergunta:
  "De quem é essa imagem?

  "Dai pois a César o que é de César..."

   e acrescenta: "...e a Deus o que é de Deus"

+ "Dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus":
"Dar" significa aqui "devolver" a cada um o que lhe pertence.
Não deve dar a César o que não lhe pertence: a ADORAÇÃO,
devida unicamente a Deus (não aos imperadores...).
* Jesus não nega o pagamento do tributo imperial.
O amor a Deus não tira as obrigações para com a nação.
Mas questiona a pretensão de César de se nivelar a Deus e
exigir dos súbditos culto só devido a Deus.
A resposta reduzia César às suas devidas dimensões.

+ Um Perigo: Tirar o lugar de Deus.
- Uns reconhecem a autoridade do império,
  por isso servem aos interesses dele, pagando o imposto;
- Outros querem reconhecer a autoridade de Deus,
  mas deixam de lado o que é de Deus.
  O dinheiro, o poder, o êxito, a realização profissional, a ascensão social,
  o clube de futebol… podem tomar o lugar de Deus e
  passam a dirigir e a condicionar a vida de muitas pessoas.

* Deus é, de fato, nosso único "Senhor", a quem servimos?

+ Conclusões da resposta de Jesus:
 
- "Dar a César..." (a imagem de César)
O Cristão tem obrigações com a Sociedade em que vive.
Nenhum país funciona se a população não der a César o que é de César...
O cristão deve ser um bom cidadão.
É uma obrigação moral, além de civil, contribuir para o bem comum
com o pagamento de impostos justos.

- "Dar a Deus" (o homem foi criado à "imagem" de Deus)
Por isso, seus direitos e sua dignidade devem ser respeitados por todos.
Nós somos o "seu Povo", que não pode ser vendido a nenhum César.
Se tiramos de Deus o que lhe pertence, devemos "devolver".
Só Deus é o "Senhor" de nossa vida...

- Dar à Comunidade cristã (devemos ser membro vivo e atuante...)

- Participar na Vida e Ação Evangelizadora e Missionária da Igreja...
  A Igreja no Brasil nos pede que todos devemos:
    "EVANGELIZAR, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo,
    como Igreja discípula, missionária e profética,
    alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia,
    à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres,
    para que todos tenham vida, rumo ao Reino definitivo". (DGAE)

- Colaborar pela sua manutenção, com o Dízimo...
  A Bíblia fala e condena os que "sonegam" o tributo do templo...

+ Estamos, de fato, dando a César o que é de César e a Deus o que é de Deus?
   Não podemos "sonegar" o nosso tributo
   nem a Deus, nem à Nação, nem à Comunidade...


Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 22.10.2017

(buscandonovasaguas)

sábado, 21 de outubro de 2017

Cardeal Sarah: Revolucionários do gênero querem destruir a família cristã


ROMA, 21 Ago. 17 / 07:00 pm (ACI).- O Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, advertiu que os novos revolucionários da ideologia do gênero querem destruir a família cristã porque representa ”tudo o que odeiam”.
Assim indicou o originário da Guiné (África) na Missa que presidiu no domingo, 13 de agosto, por ocasião dos 700 anos das dioceses francesas de Lucon e Maillezais, segundo informa Famille Chrétienne.
“Hoje, mais do que nunca, os ideólogos da revolução querem aniquilar o lugar natural da doação de si, da generosidade alegre e do amor. Quero falar da família! A ideologia do gênero, o desprezo da fertilidade e da fidelidade são os diversos lemas desta revolução. As famílias se converteram nos novos vandeanos a exterminar”.
O Cardeal lamentou que atualmente “planejem metodicamente o seu desaparecimento, como aconteceu em La Vendée. Esses revolucionários se inquietam ante a generosidade das famílias numerosas. Zombam das famílias cristãs porque elas representam tudo o que eles odeiam”.
La Vendée é uma região francesa onde os defensores da Revolução de 1789 assassinaram mais de 100 mil católicos que se recusaram a unir-se a eles e foram assassinados de formas especialmente cruéis entre 1793 e 1794.
O genocídio contra os católicos, que tinham um exército consagrado ao Coração de Jesus, é conhecido como “A Guerra de La Vandée”.

O Purpurado denunciou que os revolucionários da ideologia de gênero “estão prontos para lançar na África as novas colonizações infernais para pressionar as famílias e impor a esterilização, o aborto e a contracepção. África, como La Vendée, resistirá!”.
“Em todos os lugares, as famílias cristãs devem ser as alegres pontas de lança de uma revolta contra esta nova ditadura do egoísmo! Agora está no coração de cada família, de cada cristão, de todo homem de boa vontade, que surja uma Vendée interior!”.
A autoridade vaticana disse que “a alma dos mártires” de La Vendée “nos envolve neste lugar. O que eles nos dizem? O que eles nos transmitem? Primeiramente, a coragem”.
“Já é hora, queridos irmãos, de ir contra o ateísmo prático que asfixia as nossas vidas! Rezemos pelas famílias, coloquemos Deus em primeiro lugar. Uma família que reza é uma família que vive! Um cristão que não reza, que não sabe dar um lugar a Deus no silêncio e na adoração, acaba morrendo”.
O Cardeal Sarah enfatizou que “os mártires vandeanos nos ensinam o sentido da generosidade e do dom gratuito de si mesmo. Somente o amor generoso, o dom desinteressado da vida, pode vencer o ódio contra Deus e contra os homens, que é a origem de toda a revolução. Os vandeanos nos ensinaram a resistir a todas essas revoluções”.
“Mostraram-nos que diante das colonizações infernais, como aconteceu nos campos de extermínio nazistas, diante dos gulags comunistas, como diante da barbárie islamista, não há mais do que uma resposta: o dom de si mesmo, de toda a vida. Só o amor vence ante os poderes da morte!”.
O Purpurado africano exortou a não deixar que “desapareça de nós o dom generoso e gratuito. Como os mártires de La Vendée, observemos a fonte do seu dom no coração de Jesus”.
“Rezemos para que uma grande e alegre Vendée interior se levante na Igrejae no mundo!”, concluiu.

O genocídio contra os católicos de La Vendée

O genocídio perpetrado por partidários da Revolução Francesa que devastou a região católica de La Vendée provocou mais de 100 mil mortes entre os anos 1793 e 1794.
Os revolucionários não suportavam que a região católica não quisesse se submeter às suas ideias e não queria se somar às guerras que iniciaram contra Inglaterra, Espanha, Holanda e Itália; e que, além disso, tivesse organizado um exército muito bom que estava consagrado ao Coração de Jesus, no qual os soldados avançavam rezando o rosário.
A crueldade dos revolucionários incluiu afogamentos em massa de mulheres, assassinatos de crianças em fornos de pão, envenenamento da água de povoados inteiros; entre outros horrores sofridos pelos católicos em nome da revolução.
Os revolucionários usavam até mesmo os cadáveres dos falecidos para conseguir gordura e pele, que era curtida na cidade de Meudon.
Entre as diversas atrocidades sofridas pelos católicos está a aniquilação de um povoado inteiro depois do envenenamento das suas águas – algo que fizeram em muitos outros lugares. Os revolucionários reuniram todos os sobreviventes em uma igreja, assassinaram com baioneta cerca de 600 pessoas, e logo depois destruíram o templo.
Os escombros do local foram removidos somente em 1863, quando enterraram os cadáveres.


(acidigital)
Hoje é o Dia Nacional de Valorização da Família: Reze com esta oração




REDAÇÃO CENTRAL, 21 Out. 17 / 05:00 am (ACI).- O Brasil recorda neste 21 de outubro o Dia Nacional de Valorização da Família, data para a qual a Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe uma oração a fim de pedir a Deus a graça de “valorizar o dom que é a família”.
De acordo com a CNBB, esta data tem como objetivo chamar a atenção dos governos e da sociedade para a importância da família como instituição fundamental do desenvolvimento humano.
O Dia Nacional de Valorização da Família foi criado pela Lei n. 12.647, sancionada em 2012. Foi celebrado pela primeira vez em 2013.
Naquela ocasião, o secretário geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner destacou que “este dia pode se tornar um precioso recurso para promover a Família como espaço privilegiado e insubstituível para que um homem e uma mulher possam, através do matrimônio, gerar e educar seus filhos no exercício da família cidadã”.

Confira a seguir, a oração para o Dia Nacional de Valorização da Família:


Senhor Deus, nosso Pai amoroso e misericordioso, criastes-nos à Vossa imagem e semelhança, para a plenitude da vida em comunhão. Sabemos por experiência que a família constituída por um homem e uma mulher unidos por um vínculo indissolúvel e seus filhos, fundada sobre o matrimônio, é a melhor maneira de viver o amor humano, a maternidade e a paternidade.
Ela é o caminho da plena realização humana e, ao mesmo tempo, constitui o bem mais decisivo para que a sociedade cresça na verdade e na paz, porque ela corresponde ao Vosso desígnio de amor.
Senhor Deus, Verbo Encarnado na família de Nazaré, escolhestes uma família como a nossa para habitar entre nós e compartilhar em tudo a nossa condição humana, menos o pecado. Viestes até nós para ser o nosso Redentor, para salvar a nós e a nossos filhos de atitudes e decisões insensatas, de caminhos de destruição e de morte, dos dramas que acompanham cada existência humana.
Vinde para reavivar em nós o amor que se doa e fortalecer os vínculos de afeto recíproco, para que juntos construamos um mundo de gratuidade amorosa e de vida fraterna. Assim veremos florescer uma sociedade justa e solidária, que valoriza e ama a família, onde seja possível experimentar a felicidade verdadeira, até o dia em que chegaremos junto de Vós, no Vosso Reino de Paz definitiva.
Nossa família, que constitui o bem mais precioso na nossa vida e o maior recurso da nação brasileira, está sendo descaracterizada e desvalorizada por diversas forças sociais e políticas, querendo assemelhá-la a qualquer união que ofereça afeto e cuidados. Até os pais correm perigo de serem desapropriados de sua responsabilidade educativa.
Senhor Deus, Divino Espírito Santo, vinde fortalecer nosso ardor evangélico, para sermos discípulos missionários de Jesus, portadores do seu amor e da sua potência divina que vence a morte.
Pedimos-vos que nossa família se torne cada vez mais casa de comunhão, capaz de vencer os conflitos, escola da fé e dos valores humanos e sociais, lugar onde se partilham as esperanças e as lutas e se acompanha o crescimento de cada filho. Assim, nossa família será fonte de alegria e de beleza, nascente de satisfação e de força para construir positivamente o horizonte de realização de cada pessoa e o bem de toda a sociedade.
Ajudai-nos, Senhor a valorizar o grande dom que é a família, preservando-a dos males que a ameaçam e iluminai nosso caminho para superar os conflitos entre o trabalho a família e a festa, para promover a família cidadã, que auxilia a sociedade a superar a violência e a corrupção, a encontrar caminhos da paz.
Sagrada Família de Nazaré, Jesus, Maria e José, abençoai as nossas famílias brasileiras!


(acidigital)