sábado, 30 de junho de 2012

NOTÍCIAS PELO MUNDO




BREVES

Las Hijas de San Pablo

celebrarán la fiesta de su “padre y fundador”




Buenos Aires/ARGENTINA.- Las Hermanas Hijas de San Pablo celebrarán hoy sábado 30 de junio, la festividad de San Pablo Apóstol, a quien consideran “padre y fundador” de esa congregación de la Familia Paulina. 


Perú: Cinco miembros del Sodalicio de Vida Cristiana

reciben ordenación sacerdotal




Lima/PERÚ.- En una celebración presidida por el Arzobispo metropolitano de Piura y Tumbes, Mons. José Antonio Eguren, en la Parroquia Nuestra Señora de la Reconciliación en Lima, cinco miembros del Sodalicio de Vida Cristiana fueron ordenados sacerdotes el 28 de junio.

Los nuevos sacerdotes sodálites son el P. Christian Yamanija Yraha y P. Gianfranco Castellanos Melzi, ambos del Perú; el P. Alberto Hadad Sánchez y el P. Andrés Echavarría Machado, de Colombia, y el P. Fernando Timotheo da Costa Genú, de Brasil.

Ayer cerca de 800 fieles se congregaron en la Santa Iglesia Catedral

para participar en la ceremonia presidida por el Sr. Obispo.


Córdoba/ESPAÑA.- Unos 800 fieles entre ellos, familias enteras, numerarios, sacerdotes, y demás personas vinculadas al Opus Dei se reunieron ayer, en la Santa Iglesia Catedral para celebrar la Eucaristía en honor a San José María Escrivá de Balaguer, fundador de esta institución eclesial. 

400 laicos ignacianos revivirán en Madrid

los frutos del Encuentro Mundial de las Familias de Milán




En todo amar y servir” es la frase de San Ignacio, el fundador de la Compañía de Jesús, que sirve de lema, “EnTodo”, al I Encuentro de Familias Ignacianas que se celebrará el próximo 30 de junio en Madrid, concretamente en el colegio jesuita Nuestra Señora del Recuerdo. Su objetivo es recoger los frutos del VII Encuentro Mundial de las Familias que presidió el Papa en Milán a primeros de este mes de junio. 

(camineo.info)


“NÓS ESPERAMOS, NOVOS CÉUS E NOVA TERRA.





DESEJO-TE UM BOM DIA

sexta-feira, 29 de junho de 2012

São Pedro e São Paulo, apóstolos - Solenidade



LITURGIA DA FESTA




Livro dos Actos dos Apóstolos 12,1-11.

Por esse tempo, o rei Herodes maltratou alguns membros da Igreja.
Mandou matar à espada Tiago, irmão de João,
e, vendo que tal procedimento agradara aos judeus, mandou também prender Pedro. Decorriam os dias dos Ázimos.
Depois de o mandar prender, meteu-o na prisão, entregando-o à guarda de quatro piquetes, de quatro soldados cada um, na intenção de o fazer comparecer perante o povo, a seguir à Páscoa.
Enquanto Pedro estava encerrado na prisão, a Igreja orava a Deus, instantemente, por ele.
Na noite anterior ao dia em que Herodes contava fazê-lo comparecer, Pedro estava a dormir entre dois soldados, bem preso por duas correntes, e diante da porta estavam sentinelas de guarda à prisão.
De repente, apareceu o Anjo do Senhor e a masmorra foi inundada de luz. O anjo despertou Pedro, tocando-lhe no lado e disse-lhe: «Ergue-te depressa!» E as correntes caíram-lhe das mãos.
O anjo prosseguiu: «Põe o cinto e calça as sandálias.» Pedro assim fez. Depois, disse-lhe: «Cobre-te com a capa e segue-me.»
Pedro saiu e seguiu-o. Não se dava conta da realidade da intervenção do anjo, pois julgava que era uma visão.
Depois de atravessarem o primeiro e o segundo posto da guarda, chegaram à porta de ferro que dá para a cidade, a qual se abriu por si mesma. Saíram, avançando por uma rua, e logo o anjo se retirou de junto dele.
Pedro, voltando a si, exclamou: «Agora sei que o Senhor enviou o seu anjo e me arrancou das mãos de Herodes e de tudo o que o povo judeu esperava.»


Livro de Salmos 34(33),2-3.4-5.6-7.8-9.



Em todo o tempo, bendirei o Senhor;
o seu louvor estará sempre nos meus lábios.
Saboreai e vede como o Senhor é bom:
escutem e alegrem-se os humildes.

Enaltecei comigo o Senhor;
exaltemos juntos o seu nome.
Procurei o Senhor e Ele respondeu-me,
livrou-me de todos os meus temores.

Aqueles que o contemplam ficam radiantes,
não ficarão de semblante abatido.
Quando um pobre invoca o Senhor,
Ele atende o e liberta-o das suas angústias.

O anjo do Senhor protege os que o temem
e livra-os do perigo.  
Saboreai e vede como o Senhor é bom;
feliz o homem que n'Ele confia!

A ira do Senhor volta-se contra os malfeitores,
para apagar da terra a sua memória.
Os justos clamaram e o Senhor atendeu-os
e livrou-os das suas angústias.



2ª Carta a Timóteo 4,6-8.17-18.



Caríssimo: Quanto a mim, já estou pronto para oferecer-me como sacrifício; avizinha-se o tempo da minha libertação.
Combati o bom combate, terminei a corrida, permaneci fiel.
A partir de agora, já me aguarda a merecida coroa, que me entregará, naquele dia, o Senhor, justo juiz, e não somente a mim, mas a todos os que anseiam pela sua vinda.
O Senhor, porém, esteve comigo e deu-me forças, a fim de que, por meu intermédio, o anúncio fosse plenamente proclamado e todos os gentios o escutassem. Assim fui arrebatado da boca do leão.
O Senhor me livrará de todo o mal e me levará a salvo para o seu Reino celeste. A Ele, a glória, pelos séculos dos séculos. Ámen!


Evangelho segundo S. Mateus 16,13-19.



Naquele tempo, ao chegar à região de Cesareia de Filipe, Jesus fez a seguinte pergunta aos seus discípulos: «Quem dizem os homens que é o Filho do Homem?»
Eles responderam: «Uns dizem que é João Baptista; outros, que é Elias; e outros, que é Jeremias ou algum dos profetas.»
Perguntou-lhes de novo: «E vós, quem dizeis que Eu sou?»
Tomando a palavra, Simão Pedro respondeu: «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo.»
Jesus disse-lhe em resposta: «És feliz, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que to revelou, mas o meu Pai que está no Céu.
Também Eu te digo: Tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Abismo nada poderão contra ela.
Dar-te ei as chaves do Reino do Céu; tudo o que ligares na terra ficará ligado no Céu e tudo o que desligares na terra será desligado no Céu.»





(EvangelhoQuotidiano)



PEDRO E PAULO




Quem é Pedro?
Quem é Paulo?


Pedro, um galileu, filho de Jonas, pescador, casado.
De entre todos, foi escolhido por Jesus, para ser apóstolo e primeiro pilar da Igreja que Cristo fundou. Deixou tudo para seguir Jesus; confessou que Jesus era o Cristo, o Messias Filho de Deus; queria tanto viver com o Senhor, que Lhe propôs no Tabor, ficarem em três tendas...; foi ele também que, no Pretório, negou por três vezes conhecer Jesus mas chorou amargamente a sua traição; foi o primeiro a entrar no túmulo vazio. Pedro, humanamente fraco e forte pela graça do Espírito, é o chefe da Igreja de Cristo Ressuscitado, a Igreja Católica, que hoje fazemos memória.

Paulo, jovem cidadão romano, defensor do judaísmo, formado na escola de Gamaliel na Lei de Deus, perseguia de morte os cristãos que, após a Ressurreição de Cristo e a Sua Ascensão ao céu, formaram e viviam em comunidades cristãs. Numa destas perseguições a caminho de Damasco, Jesus chama-o e Paulo cai do cavalo, convertendo-se! Foi destinado à missão de evangelizar os gentios, aqueles que nunca tinham ouvido falar de Deus. Tornou-se o segundo pilar da Igreja de Cristo por proclamar o Kerygma a todos os povos.

Cada um de nós tem um pouco da fraqueza destes dois apóstolos, porque já negámos muitas vezes a Cristo nas omissões e maus exemplos, como já murmurámos e perseguimos irmãos por pertencerem a este ou aquele movimento, ou terem ideias diferentes das nossas … Cada um sabe o que faz!

Hoje a Igreja Católica, Apostólica, Romana faz Festa a estas duas colunas, base da nossa cristandade. Vamos pedir a intercessão de Pedro e Paulo para que nos assemelhemos a eles quanto à flexibilidade do seu coração, deixando-nos inundar pela acção do Espírito de Cristo Ressuscitado.



TEM UM DIA ALEGRE

EM COMUNHÃO COM PEDRO E PAULO


(A propósito da homilia do Diácono Martins do Carmo)



Rosquilhas de S. Pedro - Lajes do Pico








quinta-feira, 28 de junho de 2012

UMA HISTÓRIA DE VIDA





Entré en una librería buscando el Corán, como que no lo tenían me compré un libro de Santa Teresa y San Juan de la Cruz. Empecé a leer y a leer, y fue un toque del Señor



Julio de Alonso Santos vivía fuera de la Iglesia desde la primera comunión. Sus padres también habían dejado la práctica religiosa cuando por motivos de trabajo se mudaron a Madrid desde su Orense natal donde había nacido en 1967. Cuando regresaron a Galicia, iba a misa alguna vez con la abuela, pero como no le faltaba de nada, no veía ninguna necesidad de ir a la Iglesia. 
A los 14 años atracaron a su padre, comerciante de joyas, y se llevaron toda la mercancía. Fue un acontecimiento muy duro que representó la quiebra total. Como que la situación en casa era muy difícil, Julio encontraba su refugio en las fiestas con los amigos. A los 19 años dejó los estudios, se fue a hacer el servicio militar, y al volver comenzó a trabajar. 
Entonces llegó al punto más bajo: "Llega un momento en que uno está cansado de todo y después de haber roto con una novia con la que, a diferencia de muchas otras, pensaba que iba más serio, empecé a buscar. Entré en una librería buscando el Corán, libro del Islam, pensando que hablaba de budistas, y como que no lo tenían me compré un libro de Santa Teresa y San Juan de la Cruz. 
Empecé a leer y a leer, y fue un toque del Señor". Desde entonces se acercó de nuevo a la Iglesia, pero con paréntesis porque le faltaba una comunidad que le ayudase. Había dejado atrás la juventud y se volvía a encontrar perdido. Entonces, un amigo de Valencia, más deprimido que él, le pidió que le hablara de Dios. Sin saber qué decir, se fueron unos días al monasterio cisterciense de Osera: "Estuvimos un fin de semana pero nos pareció que fue un mes. 
Ahí nos encontramos con un sacerdote que atendía comunidades del Camino Neocatecumenal. Nos habló de ellas, con mucha alegría fuimos a conocerlas, y me quedé. Mis padres estaban separados, pero entraron uno después de otro, y ahora vuelven a estar juntos. Después de la Jornada Mundial de la Juventud en Toronto, me levanté para entrar en el Seminario, e ingresé en el 2003. 

MCS DIOCESIS DE SEGORBE - CASTELLÓN
(Camineoinfo)


ESPERA!




Partilha

"Se alguém lhe fechar a porta, não gaste energia com o confronto,
  procure as janelas.

Lembre-se da sabedoria da água: a água nunca
  discute com seus obstáculos, mas os contorna."



  Senhor, meu Deus: a pessoa que está lendo isto, é bonita, forte e eu a
respeito muito. Ajuda-a a viver dentro do teu redil. Fá-la crescer e
 superar todas as dificuldades. Ajuda-a a ser luz, para brilhar nos lugares
  mais obscuros onde é impossível o amor. Protege-a o tempo todo e levanta-a
  quando ela estiver no fundo, fazendo-a saber que caminhando
  Contigo, estará sempre segura.

(Do correio electrónico
Alterei um pouco a “oração”)

quarta-feira, 27 de junho de 2012

SORRI!







(Do correio electrónico)

“MARIA ESCOLHEU A MELHOR PARTE”





Marta, Marta, tu te inquietas e te agitas por muitas coisas;
no entanto, pouca coisa é necessária, até mesmo uma só.
Maria, com efeito, escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.”
Lc10,38-41


Chegou o tempo das “festas”: as do Espírito, com as coroações, funções, touradas, arraiais; a intercalar, as maiores festas profanas, Sanjoaninas que ainda estão a decorrer; como não bastasse, os jogos da selecção; virão também as férias, os familiares que nos visitam ... Enfim! levamos praticamente o verão nesta variedade de distracções, que dá para todos os gostos.

Claro que, continuamos a dormir e a comer... porque sem isto, não podemos passar.
Assim como também, continuamos com a Eucaristia e devoções nas nossas paróquias às horas habituais, assim como continuamos com a Eucaristia e as Celebrações nas Comunidades do Caminho Neocatecumenal.

Mas a Igreja, não é formada de anjos, mas sim por todos nós, humanos e pecadores e por vezes é difícil vencer o demónio, que existe e é muito subtil em argumentar e em dirigir-nos para uma “felicidade” fácil e fugaz. Então, interiorizamos esses argumentos e assumimos a postura de cristãos devotos, cumpridores dos valores culturais, familiares e até religiosos. Conclusão: pomos em primeiro lugar tudo, que não seja a Eucaristia e as Celebrações.

O Senhor ensina-nos, irmãos, como fazer! Marta, Marta, tu te inquietas e te agitas por muitas coisas; no entanto, pouca coisa é necessária, até mesmo uma só. Maria, com efeito, escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.”
Deus ensinou o Seu Povo no deserto! Povo que adorou outros deuses, que murmurou contra Deus, quis fazer a sua própria história, tal como nós fazemos hoje. Mas eles aprenderam que, só há um Deus que apenas AMA e quer ser o nosso Pai.

É por isso que vale a pena deixar tudo para O escutar e seguir! É por isso que vale a pena deixar o jogo da selecção para ir à Celebração da Palavra!

UM BOM DIA PARA TI!

terça-feira, 26 de junho de 2012

A PORTA É ESTREITA!



A porta é estreita mas é por ela que temos de passar. Como? se eu estou gordíssima! Estou cheia, muito cheia de coisas ... de orgulho, de inveja, de auto-suficiência!!! por isso não posso passar.
A única maneira é emagrecer, claro! Emagrecer, deixando essas coisas que afinal, são NADA!  fazer "jejuns". Só assim,  e com a Força de Cristo Ressuscitado, Ele ouvirá a súplica desta mulher pecadora.


TEM UM BOM DIA.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O TEMA DAS SANJOANINAS NAS RUAS DE ANGRA


AS TRADIÇÕES DA ILHA 

NAS RUAS DA CIDADE PATRIMÓNIO



Rua Direita
Tema: Carnaval







Rua de S. João
Tema: Dedicada a S. João 






Rua da Palha
Tema: Festa Brava







Rua da Sé: a varanda e as "montras"
Tema: Festa do "Espírito"




A Igreja da Sé reflectida no vidro da montra






CONTINUAÇÃO DE BOAS FESTAS





domingo, 24 de junho de 2012

HOJE É O DIA DO SENHOR




SOLENIDADE DE S. JOÃO, O BAPTISTA




"João é seu nome"


Celebramos hoje a festa do nascimento de JOÃO BATISTA:
É o único santo que a Liturgia comemora também
o nascimento (geralmente só o dia da morte...)

As Leituras bíblicas nos ajudam a compreender
a grandeza de sua pessoa e de sua missão.

Na 1a Leitura, Isaías fala de um misterioso "Servo do Senhor"
chamado por Deus desde o ventre da mãe
"para levar a luz e a salvação a todas as nações." (Is 49,1-6)

Nesse servo, os cristãos reconheceram sempre a imagem de Cristo.
Mas João Batista também foi escolhido desde o seio de sua mãe e
plenificado com a força de Deus, em vista de uma grande missão:
preparar o caminho para Cristo, Luz das nações.
* Cada um de nós é chamado a cumprir a missão
de levar a Luz de Cristo e a Salvação.

Na 2a Leitura, Paulo mostra como Deus preparou seu povo
para a vinda do Messias e como João Batista cumpriu fielmente
sua missão de precursor. (At 13,22-26)

O Evangelho narra o nascimento do Precursor. ( Lc 1,57-66.80)

Mostra que com João iniciou uma nova era:
Terminou o tempo das promessas, da expectativa
e iniciou o tempo da realização. Deus cumpriu a sua palavra.

O texto tem três partes:

1. Fala do NASCIMENTO do Batista: Mãe estéril e Pai mudo:
Do silêncio de Zacarias nasce a última palavra profética da antiga aliança,
da esterilidade de Isabel nasce o anunciador da vida perfeita
oferecida por Deus ao seu povo, Jesus Cristo.

O seio de Isabel representa a condição da humanidade:
sem vida, sem esperança, sem futuro.
Mas Deus intervém do alto para lhe dar vida
e lhe mostra como é grande o seu poder e gratuito o seu amor,
tornando fecunda uma mulher estéril:

- É uma explosão de ALEGRIA, que envolve a todos, os pais, os vizinhos...
É sempre assim quando Deus entra na historio do homem.

2. O NOME de João:
Entre os antigos, o nome era importante:
indicava a pessoa, as suas qualidades, o seu destino...
(Zacarias = Deus se recordou... João = O senhor manifestou sua bondade...)

3. Resumo da INFÂNCIA de João:
- O Deserto, para Israel, relembrava o tempo decisivo da história...
- No deserto, João Batista passa sua adolescência e juventude,
preparando-se para a Missão: "Veio a palavra do Senhor no deserto a João".

Exemplo de João:

1. Profunda HUMILDADE: aceita ser relegado a segundo plano
para que Jesus apareça melhor:
"Agora convém que ele cresça e que eu diminua..."

* Essa atitude de João Batista questiona:
- Anunciadores... que se colocam acima da mensagem...
- Grupos... que se colocam acima do conjunto da Igreja...
- Pessoas que se ligam ou desligam da Igreja,
por causa daquele agente que as cativou ou as decepcionou...
e Jesus fica de lado...
- Comunidades que zelam nas construções, e não na Evangelização.

2. Viveu no DESERTO muito tempo (no silêncio, oração, sobriedade)
antes de se apresentar diante do povo para transmitir seu anúncio.

* Anunciar Jesus é Missão muito séria, não se improvisa:
quem evangeliza tem que se preparar com estudo e oração.
É o mínimo que podemos fazer...

+ A Liturgia dá o tom da grandeza de João Batista...
"Proclamamos hoje as maravilhas que operastes
em São João Batista, precursor de vosso Filho e Senhor nosso,
consagrado como o maior entre os nascidos de mulher.
Foi o único dos profetas que mostrou o Cordeiro redentor.
Batizou o próprio autor do batismo... e derramando seu sangue,
mereceu dar o perfeito testemunho de Cristo". (Prefácio)

+ A procura de um NOME...
Com o Lema: "Migração e Saúde: conquistar direitos é defender a vida",
recordamos hoje no Brasil o "Dia do Migrante",
que precisa deixar sua terra Natal e sair pelo mundo
à procura de trabalho e de casa para morar, à procura de um NOME...
Eles precisam da "Boa Nova" de uma vida melhor,
sem precisar acampar ao longo das estradas
ou buscar refúgio nas periferias.
Os Migrantes, que estão a caminho, devem sentir uma mão amiga,
acolhedora e protetora, "eu era migrante e vocês me acolheram" (Mt 25, 35).
"Senhor, concedei-nos a graça de sabermos acolher o migrante,
orientá-lo para que tenha uma saúde digna e uma vida em plenitude".

Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 24.06.2012




sábado, 23 de junho de 2012

NOITE DE MARCHAS 2012










SALTA A FOGUEIRA COM CUIDADO!

É NOITE DE S. JOÃO.



(NOITE DE S. JOÃO)




Gracia divina y correspondencia humana


Juan el Bautista, cuyo nacimiento hoy celebramos, es un ejemplo, entre tantos, de correspondencia a las gracias de Dios, fiel a su vocación: a lo que, incluso antes de nacer, esperaba de él la Trinidad Beatísima. Recordemos, como afirma san Pablo, que Dios nos ha escogido, antes de la constitución del mundo, para que seamos santos y sin mancha en su presencia, por el amor.
        El designio divino de la Redención del hombre preveía un precursor que anunciase la llegada del Hijo de Dios encarnado. El evangelista San Marcos recoge la profecía: conforme está escrito en Isaías el profeta: "Mira, envío mi mensajero delante de ti, el que ha de preparar tu camino".        "Voz del que clama en el desierto: Preparad el camino del Señor, enderezad sus sendas".
        La aparición de Juan, el "Precursor", era señal inequívoca de la inminente llegada del Mesías. Tenían, en efecto, razón en sus presentimientos –por inconcretos que fueran– los paisanos de Zacarías e Isabel, padres de Juan:         —¿Qué va a ser, entonces, este niño?, decían.
        Porque la mano del Señor estaba con él.

        Y es que nuestro Dios siempre asiste con Gracia poderosa a sus elegidos, para que puedan cumplir lo que de ellos espera. Su nacimiento había sido anunciado proféticamente desde antiguo, y al propio Zacarías, su padre, un ángel le advirtió de su nacimiento. Y esto, a pesar de su incredulidad, pues no era razonable –pensaba Zacarías– que tuvieran un hijo con edad tan avanzada, será para ti gozo –le insistía el ángel–; y muchos se alegrarán con su nacimiento, porque será grande ante el Señor. No beberá vino ni licor, estará lleno del Espíritu Santo ya desde el vientre de su madre y convertirá a muchos de los hijos de Israel al Señor su Dios; e irá delante de Él con el espíritu y el poder de Elías para convertir los corazones de los padres hacia los hijos, y a los desobedientes a la prudencia de los justos, a fin de preparar al Señor un pueblo perfecto.
        No le faltarían a Juan la luz ni la energía necesaria para cumplir su misión. Dios mismo se hacía garante de su capacidad: quedaría lleno del Espíritu Santo desde antes de nacer, y así sería poderoso e infalible como Elías, que –bien lo sabían todos los judíos–, unido a Dios, había salido siempre victorioso y de modo espectacular, incluso, frente a los mayores poderes de su tiempo que se oponían al único verdadero Dios.
        En su Providencia, Dios había cubierto de gracias muy singulares, a quien habría de cumplir una misión única y decisiva en orden a la Redención humana. El nacimiento de Juan fue acompañado de fenómenos del todo extraordinarios. El Bautista venía así al mundo –lleno del Espíritu Santo– con el importante bagaje sobrenatural que lo capacitaba para una gran misión. Pero consideremos, en todo caso, que, guardando la debida proporción, así actúa siempre Dios con todos los hombres. Lo que espera de cada uno depende de las circunstancias personales –de la capacidad nuestra– que tenemos, como todo lo demás, recibida de Dios. No es injusto, pues, Dios ni arbitrario, y el amor con obras que le debemos no debe ser sino el desarrollo de los talentos que nos ha concedido. Esas parábolas de Jesús del señor, que se marcha y distribuye antes sus bienes entre unos criados, y reclama a su regreso el fruto correspondiente, deben estar de modo habitual presentes en nuestra mente.
        No se trata, sin embargo, de vivir como atemorizados, con el pensamiento de que nos pedirán cuentas y de que hay que exigirse, no nos vayan a castigar. Nos pedirán cuentas, por supuesto; pero no es Dios, Nuestro Padre, una autoridad amenazante, como si sólo le importara el resultado fáctico de nuestra conducta. Imaginémonos, más bien, a un padre que, con toda ilusión, concede a su hijo lo necesario para el trabajo que le encomienda y que sólo espera ponerse contento de día en día viendo el progreso del hijo. Viendo que logra las metas que se propone y que se propone lo que es su verdadero bien, es decir, lo que el padre le ha sugerido –porque lo quiere y lo conoce–, de acuerdo con su capacidad: un padre que piensa sólo en el hijo, en lo que le producirá más bien y felicidad.
        Contemplando a Juan el Bautista, resalta de inmediato la idea de vocación: la llamada de Dios a cada persona, que cada uno debemos responder. No ha surgido entre el los nacidos de mujer nadie mayor que Juan el Bautista, declaró Jesús. Son las palabras que, aparte de resaltar las cualidades objetivas concedidas al "Precursor", ponen de manifiesto su libre y fiel correspondencia al designio divino. No parece que Jesús pudiera alabar, y menos de modo tan solemne, a quien únicamente hubiera recibido muchos talentos, sin mérito alguno de su parte. Cristo alaba asimismo la correspondencia de Juan; que hubiera respondido a la gracia recibida con libre generosidad, dando el fruto que Dios esperaba, correspondiendo de modo heroico a su vocación.
        Encomendemos nuestros buenos deseos de fidelidad a lo que el Señor nos pide en nuestra vida, y cada mañana y cada tarde, a la Madre de Dios, que es Madre nuestra del Cielo, como quiso Jesucristo. Responder a la vocación es entrega, servicio, docilidad y, como es respuesta a Dios, grandeza, plenitud de vida. Así, María es la esclava del Señor y la Reina del mundo.

(Eldomingo)

"NUNCA DESISTAS"




Quando tudo não der mais certo
e já tentaste todas as alternativas,
não desesperes.

Deus proverá uma solução.
Ele é um Deus Fiel e te guardará de todo mal!


Momentos ruins não são eternos!
São como tempestades, só duram por algum momento!
Olha para trás e vê quantas coisas piores
já passaste e superaste!
Algumas vezes as tribulações acontecem
na nossa vida para nos amadurecer.

Portanto, ANIMA-TE.


Quando estiveres triste,
olha para o céu e vê o quão grande é!
Se Deus foi capaz de criar o céu,
imagina, resolver os teus problemas...
que são tão pequenos perto de tão grandiosa obra da Criação!

Teus problema não são
maiores do que DEUS!


Busca Deus de todo o seu coração!
Lembra-te que, buscar Deus tem que ser uma busca constante, diária.
Deus tem a solução para todos os teus problemas!
Para Deus, nada é impossível !

TEM UMA VIDA
DE COMUNHÃO COM DEUS!


Reme contra a maré!
No decorrer da tua vida, encontrarás pessoas
que irão jogar-te “água fria”!
Irão falar que és incapaz ... que é impossível!
Dirão que aquilo que tanto queres, não é para ti.

NÃO DESISTAS!
O DEUS QUE SERVIMOS É O SENHOR DO UNIVERSO!


Tem a certeza que dias melhores virão e tudo tem um propósito na nossa vida!
Nada é por acaso.

ENTREGA O TEU CAMINHO AO SENHOR,
CONFIA NELE E O MAIS ELE FARÁ .

(partilha da net.pp)


A "RAINHA" DAS FESTAS







(Partilha com o facebook)

sexta-feira, 22 de junho de 2012

AS MAIORES FESTAS PROFANAS DOS AÇORES



INÍCIO DAS SANJOANINAS 2012






Muito bom gosto! 
Cortejo alegre e que traduz bem as nossas tradições.




PALAVRA DE VIDA - JUNHO





«Trabalhai, não pelo alimento que desaparece,
mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna,
e que o Filho do Homem vos dará» (Jo 6, 27).

Depois de ter dado de comer às multidões com a multiplicação dos pães, perto do lago de Tiberíades, Jesus tinha-Se transferido em segredo para a outra margem, na zona de Cafarnaum, para Se ocultar da multidão que O queria fazer rei. Mesmo assim, muitas pessoas tinham começado a procurá-Lo e tinham-No encontrado. Mas Jesus não aceita o seu entusiasmo demasiado interesseiro. Eles tinham comido o pão milagroso, mas detiveram-se na mera dádiva material sem compreenderem o significado profundo daquele pão. Através do pão, Jesus revela-se como o enviado do Pai, para dar a verdadeira vida ao mundo. Mas eles veem em Jesus apenas um taumaturgo, um Messias terreno, capaz de lhes arranjar o alimento material em abundância e a bom preço. É neste contexto que Jesus lhes dirige a palavra:
 
«Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará».
 
O “alimento que não desaparece” é a própria pessoa de Jesus e é também o Seu ensinamento, uma vez que o ensinamento de Jesus é uma coisa só com a Sua pessoa. E, lendo mais à frente outras palavras de Jesus, verifica-se que este “pão que não desaparece” se identifica também com o corpo eucarístico de Jesus. Pode então dizer-se que o “pão que não desaparece” é Jesus em pessoa. É Ele que Se doa a nós na Sua Palavra e na Eucaristia.
 
«Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará».
 
A imagem do pão surge frequentemente na Bíblia, como aliás a da água. O pão e a água representam os alimentos primários, indispensáveis para a vida do homem. Ora, Jesus, aplicando a Si mesmo a imagem do pão, quer dizer que a Sua pessoa, o Seu ensinamento, são indispensáveis para a vida espiritual do homem, tal como o pão é indispensável para a vida do corpo.
O pão material é, sem dúvida, necessário. O próprio Jesus o distribui milagrosamente às multidões. Mas só por si não basta. O homem traz em si mesmo – talvez sem se dar perfeitamente conta disso – uma fome de verdade, de justiça, de bondade, de amor, de pureza, de luz, de paz, de alegria, de infinito, de eterno, que nada neste mundo é capaz de satisfazer. Jesus propõe-se a Si mesmo como Aquele que é o único capaz de saciar a fome interior de cada pessoa.
 
«Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará».
 
Mas, ao apresentar-se como o “pão de vida”, Jesus não se limita a afirmar a necessidade de nos nutrirmos d’Ele, isto é, que é necessário acreditar nas Suas Palavras para termos a vida eterna. Jesus quer impelir-nos a fazer a experiência d’Ele. Na verdade, Ele, com a Palavra: «Trabalhai pelo alimento que não desaparece», faz um insistente convite. Diz que é necessário arregaçar as mangas, pôr em ação todos os meios possíveis para obter este alimento. Jesus não se impõe, mas quer ser descoberto, quer ser experimentado.
Claro que o homem, só com as suas forças, não é capaz de atingir Jesus. Só o pode fazer por uma graça de Deus. Todavia, Jesus convida continuamente o homem a dispor-se para aceitar a dádiva de Si mesmo, que Jesus lhe quer fazer. E é precisamente esforçando-se por pôr em prática a Sua Palavra, que o homem chega à fé plena n’Ele. Chega a saborear a Sua Palavra, como quem saboreia um pão fresco e apetitoso.
 
«Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará».
 
A Palavra deste mês não tem por objetivo um ponto especial do ensinamento de Jesus (como, por exemplo, o perdão das ofensas, o desapego das riquezas, etc.), mas reconduz-nos à própria raiz da vida cristã, que é a nossa relação pessoal com Jesus.
Penso que quem começou a viver com empenho a Sua Palavra e, sobretudo, o mandamento do amor ao próximo, síntese de todas as palavras de Deus e de todos os mandamentos, verifica, pelo menos um pouco, que Jesus é o “pão” da sua vida, capaz de saciar os desejos do seu coração. É a fonte da sua alegria, da sua luz. Pondo-a em prática, já chegou a saborear a Palavra, ao menos um pouco, como a verdadeira resposta para os problemas da humanidade e do mundo. E, dado que Jesus “pão da vida” faz a oferta suprema de Si mesmo na Eucaristia, vai espontaneamente receber com amor a Eucaristia, que ocupa um lugar importante na sua vida.
É necessário, então, que aqueles de nós que fizeram esta estupenda experiência, com o mesmo zelo com que Jesus incita a trabalhar pelo “pão da vida”, não guarde para si a sua descoberta, mas a comunique a outros, para que muitos encontrem em Jesus aquilo que desde sempre procuraram. É um ato de amor enorme que podemos fazer aos outros, para que também eles possam conhecer o que é a verdadeira vida, já nesta Terra, e tenham a vida que não morre. E que mais se poderá desejar?
 
Chiara Lubich




quinta-feira, 21 de junho de 2012

ANGRA PREPARA-SE PARA AS SANJOANINAS



A CIDADE PATRIMÓNIO PREPARA-SE PARA TE RECEBER






TEM UM BOM DIA

S. Luis Gonzaga, religioso, 1591




Morreu contaminado pelos doentes que ajudou.

São Luís Gonzaga nasceu em Mântua, Itália, em 1568 e morreu com 23 anos de idade, em 1591. É o patrono da juventude, e o seu corpo repousa na Igreja de Santo Inácio, em Roma. 
Recebeu educação esmerada e frequentou os ambientes mais sofisticados da alta nobreza italiana: Corte dos Médici, em Florença; Corte de Mântua; Corte de Habsburgos, em Madrid. Foi pajem do príncipe Diego, filho de Filipe II. 
Para surpresa de todos, optou pela vida religiosa, derrubando por terra os interesses nele depositados pelo pai. Finalmente conseguiu realizar o seu ideal: entrar para a Companhia de Jesus. Entretanto, viveu ali apenas seis anos. Morreu mártir da caridade ao serviço daqueles atacados pela peste, em Roma, a 21 de Junho de 1591. A 21 de Julho de 1604 a mãe pôde venerar como Beato a Luís, seu filho primogénito. Deixou a coroa de marquês, fez-lhe Deus presente a coroa dos Santos. Morreu aos 24 anos. Foi canonizado por Bento XIII em 1724 e pelo mesmo Papa dado como padroeiro à juventude que estuda. 


Liturgia da Palavra


1ª Leitura:Eclo 48,1-14
Sl 96
Ev: Mt 6, 7-15


(Evangelhoquotidiano)


quarta-feira, 20 de junho de 2012

“A TUA FRAQUEZA É GRAÇA DE DEUS”




FORÇA-FRAQUEZA

A força do braço, das guerras, do prestígio, do dinheiro, do cargo político, é a força exterior do homem, que leva ao ódio e à guerra.
Jesus diz que a força é dos fracos, porque a força de Deus é uma uma força interior, movida pela misericórdia, pelo amor, pelo perdão … Ela é exercida em gente humilde, fraca, tolerante, que ama o outro e procura acima de tudo fazer a vontade de Deus.
Esta força-fraqueza confunde e não é entendida por muitos. É que eles desconhecem que esta Força vem de Deus; que o ser humano não pode nada se não vier tudo de Deus. S.Paulo diz “Quando sou fraco, então é que sou forte... por isso me alegro com a minha fraqueza que é gloria de Deus.”

Deus actua nos que precisam e lhe pedem socorro de coração contrito. Quando estás no fundo, Deus não te deixa “morrer” mas age, levantando-te.

A força dos cristãos emana da força de Cristo Ressuscitado que venceu a morte e o mal. O Espírito de Cristo é poder de ressurreição também para nós, fortificando-nos interiormente com os Seus dons. É este Espírito que nos dá tudo aquilo de que precisamos para realizar a vontade de Deus. Não somos donos de nada. Tudo vem de Deus! A nós, cabe-nos assumir a nossa fraqueza de criaturas e conscientemente aceitar e confessar que é Deus quem age em nós.

Amigo, “a tua fraqueza é a graça de Deus em ti. Continua com a tua fraqueza, com o teu sofrimento, a tremer, com medo …, que o Senhor está contigo.”

Abrir o coração e deixar Deus entrar e transformá-lo, é ter já a intervenção de Deus em nós.

TEM UM BOM DIA



segunda-feira, 18 de junho de 2012

Por quê seguir o Senhor?




Porque Ele nos chamou! escutámos a Sua voz! “vimos ” sinais que nos indicaram o caminho para o Seu convívio!

Os que aceitaram o convite, foram ao “banquete”. Preparam-se previamente purificando-se , vestindo roupa apropriada e aguardando a chegada do “noivo”. Enquanto esperavam, foi passado um gigantesco vídeo sobre o “testemunho das obras que o noivo faz em nome do Pai”, porque é preciso conhecer, para amar e, amando segue-se o amado e dá-se tudo.

Foi o que aconteceu ontem com os três jovens que se ordenaram padres, na Sé de Angra e com todos nós leigos, que estamos com eles no Banquete e continuaremos por toda a nossa vida a escutar a Palavra de Deus, a alimentar-nos do Pão da Vida e a usar os talentos ao serviço dos irmãos.

É no mesmo redil que iremos juntos, crescendo com a partilha das nossas vivências na comunidade cristã, que é a Igreja, fundada por Cristo Ressuscitado.


BENÇÃOS DO CÉU, PARA ELES.



domingo, 17 de junho de 2012

ORDENAÇÃO PRESBITERAL


PARABÉNS!




HOJE É O DIA DO SENHOR



XI DOMINGO DO TEMPO COMUM


A Semente

A Liturgia desse domingo nos oferece a oportunidade
de refletir sobre a Vida e a Ação da Igreja de hoje.
As reações e atitudes são as mais diversas…

- Uns tradicionais, preocupados com as mudanças, desabafam:
"A Igreja não é mais aquela… Se a Igreja não fizer alguma coisa logo,
vai perder seus adeptos… "
- Outros, que se dizem progressistas, lutam impacientes com todos os meios,
até violentos, para introduzir transformações mais eficientes…

A Palavra de Deus de hoje afirma
que o Reino de Deus não é obra dos homens, é obra de Deus e
que a Comunidade Cristã deve ter confiança total na ação de Deus.

A 1ª Leitura lembra que a árvore nasce de um pequeno REBENTO. (Ez 17,22-24)
O Povo vivia no exílio e na escravidão, sem perspectivas de libertação.
Ao profeta Ezequiel, Deus transmite uma mensagem de ESPERANÇA:
Deus não se esqueceu do seu povo.
Ele irá até a Babilônia, tomará um ramo da dinastia de Davi e
o plantará no alto de uma montanha da terra de Israel.
O pequeno rebento crescerá e se tornará um cedro magnífico,
no qual os passarinhos farão seus ninhos.
- Jesus será o rebento do majestoso cedro que Deus plantou na Terra.
As aves, que vêm pousar em seus ramos, representam todos os povos do mundo, convidados a encontrar sua morada nas suas ramagens.

Na 2ª Leitura, Paulo, no final de sua vida, cansado pelos anos
e pelas provações, deseja repousar para sempre com Deus e com Cristo.
Mas está disposto a continuar na luta com todas as suas forças,
enquanto Deus quiser. (2Cor 5,6-10)

No Evangelho Jesus compara o Reino de Deus a uma SEMENTE. (Mc 4,26-34)

- Jesus iniciara com sucesso sua atividade missionária.
Todavia o primeiro entusiasmo foi cedendo espaço
ao desânimo dos discípulos e às hostilidades dos adversários.
Qual seria o futuro da missão de Jesus?

- O texto reflete também a situação vivida pelas primeiras comunidades cristãs.
Após o entusiasmo inicial, sentem-se dominados pelo desânimo,
pelas dúvidas, pelas crises e pelo abandono da fé.

Marcos usa DUAS PARÁBOLAS de Jesus
para superar essas crises da comunidade: A Semente e o Grão de Mostarda.
Elas revelam a natureza e a dinâmica do Reino, que está acontecendo
na vida de Jesus e continua se realizando na comunidade da Igreja.
1. A Parábola da Semente fixa o ritmo de crescimento do Reino de Deus:
o processo é lento. O colono semeia e aguarda com paciência.
A semente vai germinando e crescendo lentamente,
mesmo sem a participação do lavrador.
* A força vital de Deus age, garantindo o sucesso da colheita, da Missão.
Os frutos não dependem de quem a semeou, mas da força da semente.
O crescimento do Reino depende da ação gratuita de Deus.

2. O Grão de Mostarda destaca o grandioso resultado da ação de Deus.
A proposta do Reino, uma semente pequena e insignificante no começo,
torna-se proposta universal, aberta a todas as nações e povos,
que vão aderindo ao projeto de Deus, semeado por Jesus.
Assim o Reino de Deus é uma árvore frondosa, ampla e acolhedora.

+ O que dizem essas Parábolas para nós, hoje?

- Certas pessoas andam preocupadas porque os grupos são pequenos.
As comunidades conscientes e comprometidas são cada vez mais raras,
as equipes reduzidas, as pastorais caminhando com pouca gente.
Elas têm como referência uma religião de sucesso,
com estádios cheios, celebrações pomposas...
- Certos pais e educadores gostariam que a semente da Palavra
produzisse logo os frutos da sua eficiência. E não enxergam o resultado...
E angustiados se perguntam: "Vale a pena continuar semeando?"

Nas parábolas, Jesus dá uma resposta, que nos restitui a alegria e o otimismo.

+ Após ter semeado, o que nos resta fazer?
Ser paciente e perseverar… SEMEAR E SABER ESPERAR…
confiando plenamente que o que foi feito, não foi em vão.
Depois de anunciada, a Palavra penetra nas mentes e nos corações,
e quem já a escutou nunca mais consegue permanecer o mesmo.
O tempo da colheita virá, mas só Deus sabe o dia e a hora.
Ninguém pode apressar o Reino de Deus.

+ Qual é a nossa atitude diante do agricultor,
que SEMEIA com generosidade e sabe ESPERAR com paciência?

- Temos FÉ na força íntima da semente, mesmo quando não vemos os frutos?
- Estamos convencidos de que o Reino de Deus
é mais obra de DEUS, do que fruto do trabalho humano?

O Reino de Deus é uma pequena semente.
Somos convidados a continuar semeando com fé e confiança.
- Vale a pena semear!... Só assim poderemos colher!...




Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 17.06.2011